PSDB perde em São Paulo e relação com Bolsonaro se torna pauta em debate – 04/03/2024 – Poder

A derrota do ex-governador Rodrigo Garcia (PSDB) em sua tentativa de reeleição em 2022 teve um impacto significativo na decisão do prefeito Ricardo Nunes (MDB) de se aliar a Jair Bolsonaro (PL) na eleição municipal de São Paulo. Mesmo diante das dúvidas levantadas por alguns apoiadores sobre os custos e benefícios desse apoio, Garcia compartilhou […]

Compartilhe este conteúdo


A derrota do ex-governador Rodrigo Garcia (PSDB) em sua tentativa de reeleição em 2022 teve um impacto significativo na decisão do prefeito Ricardo Nunes (MDB) de se aliar a Jair Bolsonaro (PL) na eleição municipal de São Paulo. Mesmo diante das dúvidas levantadas por alguns apoiadores sobre os custos e benefícios desse apoio, Garcia compartilhou sua experiência com Nunes, argumentando que a polarização nacional estava dominando as disputas eleitorais e que não havia espaço para candidatos que não se aliassem nem ao presidente Lula (PT) nem a Bolsonaro.

Assim, Nunes, visando evitar o fracasso de Rodrigo, que ficou de fora do segundo turno entre Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Fernando Haddad (PT), optou pelo pragmatismo. Desde o início, buscou amarrar o apoio de Bolsonaro para evitar que o ex-presidente lançasse um candidato mais à direita para concorrer.

Nesse processo, o prefeito contou com o apoio do presidente do PL, Valdemar Costa Neto, e do advogado e ex-secretário de Bolsonaro, Fábio Wajngarten, para convencer o ex-presidente a apoiar Nunes em vez de lançar o deputado Ricardo Salles (PL-SP). A lição aprendida foi que, sozinha, a direita bolsonarista não poderia superar a força de Boulos na cidade.

Rodrigo Garcia, por sua vez, preferiu não se aliar ao bolsonarismo, o que gerou críticas posteriormente. A campanha de Rodrigo em 2022 tornou-se um fantasma que ronda a pré-campanha de Nunes, que precisa equilibrar os acenos aos bolsonaristas com a necessidade de evitar a rejeição desse campo na capital paulista.

A estratégia de Nunes em buscar o apoio de Bolsonaro e defender uma posição de centro é uma tentativa de construir uma composição política vencedora. O prefeito reivindica representar uma frente ampla, apostando em apoiadores que vão da centro-esquerda à extrema direita, diluindo assim o peso de Bolsonaro.

A presença de figuras como Aldo Rebelo e José Renato Nalini na prefeitura de São Paulo, com a participação de líderes como Michel Temer (MDB), teve o intuito de contrapor a associação de Nunes com o bolsonarismo. Enquanto o prefeito evita discursos ideológicos e busca um equilíbrio entre as diferentes correntes políticas, a lembrança da derrota de Rodrigo em 2022 continua influenciando os movimentos políticos em São Paulo.

Outros assuntos relacionados
Carlos Santana

Carlos Santana

Jornalista chefe

Jornalista e redator chefe do Jornal da Net.

São Paulo, SP.

Tópicos do conteúdo

Buscas relacionadas

Mega sena